Cinturão interino e polêmico

Posted on

Por Raphael Gierez – @justphael

Depois de um longo inverno, o FocasEC, de forma lenta, vai voltando a ativa. Hoje é a vez do MMA voltar ao blog. Nessa retomada, o assunto a ser tratado é o UFC 143, realizado no último sábado (04/02) na tradicional arena Mandalay Bay, em Las Vegas. A arena, que já presenciou a “aposentadoria” de Rocky Balboa (Pra quem não sabe, foi No Mandalay Bay que o personagem mais famoso de Sylvester Stallone fez a última luta de sua carreira fictícia), não se decepcionou ao acompanhar algumas lutas quase tão emocionantes como aquela entre Balboa vs Mason.

Em um ginásio semivazio o card preliminar teve início, e quem não compareceu as primeiras lutas deve ter se arrependido: as prelims do evento foram de boa qualidade técnica, além de exemplos de superação física. Destaque para a bela vitória do debutante no UFC, o carateca Stephen Thompson, que com um belo highkick venceu sua luta sobre outro estreante, Dan Stittgen. Outro grande destaque do card preliminar foi a grande luta entre Alex “Bruce Leroy” Caceres e Edwin Figueroa, onde Caceres acabou perdendo por pontos graças à punição que sofreu durante o embate (Alex acertou Figueroa por duas vezes a zona genital, fato esse que levou o juiz da partida, Herb Dean, a punir Bruce Leroy com a perda de 2 pontos). Rafael “Sapo” Natal – único brasileiro do card preliminar – não decepcionou e, mesmo não estado com o fôlego em dia, fez prevalecer seu jiu-jitsu sobre o holandês Michael Kupier e acabou levando a luta por pontos de forma unânime.


Thompson logo após o espetacular nocaute sobre Stittgen

 

Quem também se aproveitou do jiu-jitsu para triunfar na noite foi Dustin “The Diamond” Poirier, que após tentar encaixar um armlock, migrou para o triângulo montado com chave de braço e assim triunfou sobre o até então invicto Max Holloway. Outros resultados da noite foram o nocaute de Matt Brown sobre Chris Cope (Resultado esse que provavelmente levará a demissão de Cope do UFC), e a vitória por decisão dividida de Matthew Riddle contra Henry Martinez.

 O card principal começou com a luta entre Ed “Short Fuse” Herman contra Clifford Starks, a luta começou na trocação, fator esse que favoreceu Starks e seu bom kickboxing. O primeiro round acabou com Herman parcialmente desgastado fisicamente e Starks confiante. No entanto no segundo round tudo mudou, Ed Herman conseguiu por seu jogo de chão em prática, e perante as precárias habilidades de Clifford na arte suave não demorou muito para “Short Fuse” aplicar um mataleão e finalizar a luta.

A segunda luta do card principal foi a do brasileiro Renan Barão contra o americano Scott Jorgensen, apesar de toda a expectativa de que essa fosse uma grande luta o que se viu foi o oposto: durante 15 minutos os dois lutadores pouco arriscaram e mantiveram a luta em pé sem grandes emoções. Melhor para Barão, que desferiu alguns bons golpes e acabou ganhando a luta por decisão unânime.

O embate entre Josh Koscheck e Mike Pierce foi disparada a luta mais chata do evento. Os dois lutadores que já tinham certa fama de “amarrões”, apenas corroboraram com essa fama e fizeram uma luta que Jon Fitch, o pai de todos os amarrões, se orgulharia. No fim, por decisão dividida o vencedor foi Koscheck.

co-main event da noite foi protagonizado pelos peso-pesados Fabrício Werdum e Roy Nelson. O brasileiro Werdum, um dos melhores lutadores de jiu-jitsu do mundo – que fazia sua reestreia no UFC – surpreendeu com um plano de luta diferente do seu usual. Optando por um jogo em pé e abusando dos clinchs, logo no primeiro round ele acabou por minar a resistência física do gordinho Nelson, e mesmo com vários golpes potentes recebidos e com um enorme corte na testa, Nelson bravamente levou a luta até o fim e por pouco não surpreendeu o brasileiro com uma guilhotina. Mas não teve jeito, Werdum de forma unânime conquistou a vitória e já tem seu nome ventilado para Title Shots futuros.

A luta mais esperada da noite e que valia o cinturão interino dos meio-médios estava cercada de provocações. Porém o que se desenhava emocionante não ocorreu. Apesar da natural qualidade técnica de ambos os lutadores, a emoção não esteve presente na luta, os momentos que mais levaram a torcida ao delírio durante o embate foram as provocações que Diaz lançava sobre Condit. Após 5 rounds de muita trocação e pouco jogo de chão, Carlos Condit, em decisão contestada por muitos, venceu a luta e levou o cinturão interino para casa, e agora terá um bom tempo para treinar enquanto o “verdadeiro” campeão da categoria, George Saint-Pierre, se recupera de lesão.Já o derrotado Nick Diaz, em entrevista surpreendente a Joe Rogan, minutos depois da luta, se mostrou revoltado com o resultado da luta, além disso, Diaz declarou que já ganhou dinheiro suficiente no esporte, e que provavelmente se aposentará. Se isso realmente acontecer, o mundo do MMA perde um dos seus grandes lutadores.


Diaz (a esquerda) na luta que pode ter sido a última de sua carreira


Foto: veja.abril.com.br e  bleachrreport.net

About @justphael

Aspirante a jornalista, brisado por natureza, pseudo-hardcore, iludido e corneiteiro, THAT'S ME.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: