Vantagem cruz-maltina

Posted on

Foi o começo de jogo mais bizarro que eu já vi. O árbitro entra em campo com os bandeirinhas quando, de repente, um deles cai. Simplesmente cai! Não dava pra esperar algo bom de um jogo que começara assim.

Apesar do início, no mínimo, bizarro, Atlético e Vasco fizeram um bom jogo. O Atlético tentou sufocar o adversário no início do jogo mas sofreu com os contra-ataques vascaínos. O cruz-maltino abriu o placar com Alecsandro, que comemorou fazendo caretas para a torcida e tomando um cartão amarelo. Discordo da atitude do juiz. Há alguns anos atrás – como o próprio jogador defendeu – uma provocação dessas não renderia um cartão. O próprio Renato Gaúcho há dias atrás afirmou sentir saudade dos tempos que o futebol tinha mais provocações. Assino embaixo do que o ídolo do tricolor gaúcho disse.

O Atlético estava confuso em campo. Alguns momentos Paulo Baier fazia um falso 9 que lembrou o desenho tático do Barcelona. Outros momentos, o Rubro-negro parecia estar jogando um 4-5-1 com Wingers que se assemelha ao desenho tático do Shaktar Donetsk. Uma coisa era clara, nenhum dos dois esquemas estava vingando.

O "baixinho" corre risco com as boas atuações de Branquinho.

Com a entrada de Branquinho o time melhorou. Aos 7 minutos do segundo tempo Guerrón fez um gol que muitos julgariam “feio”, mas como diria o mestre Dadá Maravilha :

“Não existe gol feio. Feio é não fazer gol”.

Talvez mais estranho que o bandeirinha caído no chão foi a atuação de Diego Souza. O meia, que muitos afirmavam ter esquecido como jogar futebol, jogou muito e foi decisivo para o resultado da partida. Em um erro do estreante Paulo Roberto a bola sobrou e o meia vascaíno fez um golaço.

A partir daí o Atlético partiu pra cima para empatar. Branquinho mostrou uma ótima atuação e vem com uma boa regularidade. Após driblar o primeiro jogador cruz-maltino foi derrubado na grande área. Paulo Baier foi para a cobrança e fez o gol atleticano.

Para o próximo jogo temos um dever difícil que é vencer o Vasco em São Januário, feito que o Atlético nunca realizou. Em compensação o time vascaíno tem a ausência de Alecsandro e Ramon. Resta para o técnico Rubro-negro partir pra cima do cruz-maltino com força total. Adilson tem que dar um jeito de escalar Paulo Baier, Branquinho e Madson no mesmo time. Dever difícil.

Fora de campo: O ex-presidente atleticano Valmor Zimermann, Ocimar Bolicenho e Ademir Adur deixaram a diretoria Rubro-negra. O senhor Marcos Malucelli está praticamente sozinho no comando. E agora, quem vai contratar para o time atleticano? A hora do seu Malucelli está chegando.

Saudações Rubro-negras.

Por André Packer –  @Packer_andre

Fotos: globoesporte.globo.com

About André Packer

“Se a bola soubesse o encanto que tem, não passaria a vida rolando de pé em pé.” Armando Nogueira

2 responses »

  1. Existe uma richa entre as diretorias, que ficou explicito na discussão do Rodrigo Caetano com uma dirigente do atlético sobre a reação do Gandula com o Alecsandro. O próximo jogo vai se tornando um caldeirão, mas espero que não aconteça o mesmo que aconteceu no jogo Avai e Botafogo. Futebol é no campo! Isso serve para os dois lados!

    Responder
  2. A diretoria mostro que estava quebrada, e que precisa de uma, nova geração, esperamos que entrem profissionais comprometidos com o clube agora, que tragam, reforços, e que o time, jogue bola e traga um resultado positivo de lá quinta feira.

    Responder

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: