We are bodyboarding

360 normal

O bodyboard é um esporte aquático, um dos mais radicais por sinal. Apesar de pouco conhecido, cerca de 2 milhões de bodyboarders estão espalhados pelo o mundo surfando as ondas mais radicais que existem e esse número vem aumentando. Ele surgiu na década de 1970 como um esporte em pé, sem muitas manobras, logo se propagou e os atletas começaram a praticar deitado, cada vez inovando com novas manobras, até chegar ao estilo que chegamos hoje, muito radical e com manobras de risco e adrenalina.  O atleta mais consagrado e com mais títulos é Mike Stweart, pioneiro no esporte, está até hoje no tour mundial com 47 anos.

Por ser um esporte deitado na prancha muitos pensam ser fácil, de certa forma é , você apenas precisa de pés de pato e uma prancha, depois disso é cair no mar e descer a onda. O difícil, mas mais divertido e radical, está quando começam a aplicar-se as manobras. Diferente do surf em pé, que o esforço é posto nas pernas, as manobras do bodyboard requerem esforço do corpo inteiro.  Como o 360, em que o atleta gira com o a prancha, veja um vídeo da manobra clicando aqui. Mas essa é uma manobra básica, o radical do esporte são as manobras aéreas, dependendo da onda o bodyboarder realmente decola. Entre elas estão o ARS, El Rollo, Backflip, Invertido, 360 invertido e 360 normal. Todas manobras aéreas requerem certa experiência do atleta, além da onda ser um pouco grande para colaborar com a decolagem. Mas não podemos deixar de lado o tubo, a sensação mais incrível para os surfistas em geral, nada como sair de um tubo gigante e sentir a liberdade.

Além de ser deitado, também há quem surfe de joelhos na prancha, o chamado drop knee. Ele aproxima-se do surf em pé, pois possibilita ao bodyboarder dar rasgadas e batidas na onda. Entre os mais consagrados estão Cesar Bauer, atual campeão mundial de Drop Knee e Dave Winchester, que também surfa deitado.

Floater de Drop Knee

No Brasil temos grandes bodyboarders, entre eles Guilherme Tamega, seis vezes campeão mundial.  O carioca está até hoje no circuito mundial com 37 anos, veja um vídeo dele nas ilhas canárias aqui. Outros brasileiros também fazem sucesso, como Magno Oliveira, Eder Luciano e Uri Valadão. Magno Oliveira, 2º colocado no último evento,  BOX PRO, no Sudoeste da Austrália em Margaret River.

O campeonato mundial é organizado pela IBA, International Bodyboard Association, link da organização aqui. Este ano o evento principal (Grand Slam) passará por 8 locais ao redor do globo e podem ser conferidos aqui, infelizmente o Brasil, que estava no circuito, saiu por problemas da organização de Búzios, local onde seria disputado. Durante a competição os atletas disputam entre si durante 15 ou 20 minutos (depende do local) nas baterias até chegar na final. As manobras são avaliadas pelo estilo do atleta, se ela foi limpa (o atleta termina ela ainda no ar, no caso de um aéreo e na parte em que ela ainda se forma), além de qual manobra é aplicada, quanto maior a dificuldade, maior a pontuação e os tubos, que quanto mais longo e profundo for, maior será a nota do competidor.

Este ano o circuito já passou por dois locais, no Havaí com o Pipeline Pro, com vitória do local Jeff Hubbard em uma bateria insana vencida nos minutos finais, melhores momentos da final clique aqui. E a outra parada foi em Margaret River, Sudoeste da Austrália em The Box, a vitória dessa vez ficou com Ryan Hardy, que também é local de Margaret River, vídeo da final. No último evento os brasileiros tiveram boa colocação,  Magno Oliveira ficou em segundo lugar e Guilherme Tamega foi parado por Magno em uma das semi finais. A próxima parada é na América do Sul, mais precisamente em Chilca, Peru. O evento será entre os dias 11 e 15 de maio. As transmissões do evento são feitas pela RedbullTV e pelo próprio site da IBA.  Além da turnê mundial masculina, também existe a feminina,  mas não em todos grandes eventos, mesmo assim não deixar de ser radical e disputada.

E se você gostou do esporte,  acompanhe os eventos, e quem sabe, comece a praticar!

Por Guilherme Artoff – @guiiartoff

Fotos:  http://www.riptidemag.com.au/

About Guilherme Artoff

"It's like the mafia. Once you're in - your in. There's no getting out" Kelly Slater

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: